terça-feira, setembro 08, 2009

Nacerriam Quistécério

No espectáculo “Pátio das Cantigas” do grupo de teatro de Minde - Boca de Cena - em Alcanena, estavam cerca de 200 espectadores. Este número poderia até parecer consolador não fosse o facto de 90% do dito público ser de Minde e os restantes serem políticos. Feitas as contas estavam 20 ou 30 pessoas “não mindericas” a assistir ao espectáculo. Além disso, durante a nossa actuação ouviram-se pelo menos 3 toques de telemóvel e houve inclusive uma “senhora” (não minderica, que fique bem claro!) que teve o atrevimento de atender o telemóvel e falar.

Já tive o prazer de assistir, a alguns espectáculos no cine-teatro São Pedro, em Alcanena, alguns deles de grande valor artístico, como algumas peças infantis (Manu ao Sabor do Vento, Gémeos), bailado (Hope & Xaile), espectáculos musicais (Tim, Camané) e em nenhum deles estavam mais de duas ou três dezenas de espectadores. Talvez no Camané um pouco mais, Ok!

Tudo isto me leva a concluir duas coisas:

Em primeiro lugar que o cine-teatro de Alcanena esteve demasiado tempo fechado provocando uma enorme deseducação cultural nas gentes da sede de concelho. Levará algum tempo a cativar o público, a despertar esta população adormecida culturalmente. Claro que há excepções à regra e esta minha crítica não tem um sentido rebaixativo ou desprezante, mas tudo de aprende e o ser humano deve dar-se a hipótese de crescer noutras áreas, de proporcionar a si próprio outras sensações, outras aprendizagens.

A outra conclusão a que chego é que, cada vez mais, me orgulho da minha terra, das pessoas, da forma como acarinham o esforço de todos os que, de uma forma ou doutra, seja através da música, da dança, do teatro, da poesia, da pintura, da escultura, enfim…tentam fazer chegar sensações novas aos outros, aos espectadores. Obrigado minha gente, por sermos assim!

Agora vamos pensar seriamente em substituir as placas nas entradas de Minde. Em vez de “Sorria, você está em Minde” vamos acarinhar os forasteiros com um sugestivo “Bem-vindo a Minde, a Vila da Cultura”

31 comentários:

ricardini disse...

Amiga Kate,

Só mesmo uma pessoa de grande optimismo, como tu, pensaria que as gentes de Alcanena iria se deslocar ao Teatro para ver os seus rivais mindericos a fazer um espectáculo, ainda por cima bom.
Ainda há pouco tempo deixei um comentário por aqui, que dizia mais ou menos isso, que se não somos concelho é por mero acaso, no entanto esta situação faz-me lembrar o império Romano, que sempre teve a Grécia como parte integrante do império, mas os gregos é que conquistaram Roma, visto serem intelectualmente bem maiores que os conquistadores. Minde é a Grécia para Alcanena, que neste caso está muito longe de ser Roma. Aliás, Cézar, segundo o que se conta, era bem mais elegante que o Sr. Azevedo...e os soldados não andavam de gravata, nem a comer frangos de aldeia em aldeia ..... eheheheh

Viva Minde!

Um abraço

wolfinho disse...

Levamos o espectáculo o público e ainda por cima prometem fundos de apoio que tardam em pagar.

Estou para ver se chega o dia das eleições e as promessas ficam por cumprir (milhares de euros ainda em falta).

Recentemente em reunião com o presidente, foi-me dito que o único espectáculo que esgotou foi a Ana Moura (o Boca de Cena também esgotou com a Relíquia).
A Ana Moura custou ao município 10.000€, a sala leva 300 lugares, a 10€ cada deu de receita 3.000€.
Resultado: 7.000€ de prejuízo.

O JazzMinde para um festival de 4 noites, recebeu muito menos, alias ainda nos devem dinheiro desse festival.

Slogan dos ICAs:
PORQUE O CONCELHO MERECE

Anónimo disse...

O Cunha (PS) é que era fino! Fechava-se em copas. Não prometia, não falhava. Assim, as associações não se queixavam de estar muito tempo à espera de receber o dinheiro da Câmara.

Zé cueca disse...

Já diziam os antigos,
Quem não tem burro não promete carrada.

Anónimo disse...

Vocês devem pensar que se ganharem não vos vão faltar euros e não vão prometer nada ...
Estão Enganados ... se pensam o contrario estão muito bem enganados ...
Já deveriam saber que isto acontece , não é por serem Novo Rumo ou PS ou seja lá o que for que acabam com as dividas e promessas...
hahahaha..

Ainda bem que não me meti na politica .Já vi que isto atinge as pessoas muito repentinamente.

El Che disse...

Kate,
Belo post.
Concordo com a placa mas não tirava as placas do "Sorria". Cada vez que passo por elas sorrio mesmo!!

A política cultural e de espectáculos desta Câmara é uma vergonha. Gastam milhares e milhares de euros em espectáculos e projectos de importância duvidosa e, por outro lado, em áreas em que as pessoas do Concelho estão mesmo necessitadas ou em projectos que têm um grande impacto na terra, estão-se positivamente a cagar.

Anónimo disse...

Há sempre bom remédio para os sentimentos de inferioridade ou de pseudo superioridade...

Se Minde tem valor na cultura...óptimo...e é de aplaudir...só ganha a terra e o concelho na sua totalidade...

Vamo-nos deixar de bairrismos infundados e sem qualquer fundamento...e os mais novos têm um grande papel a desempenhar nessa questão

wolfinho disse...

Não vejo aqui qualquer complexo de superioridade ou inferioridade, vejo uma gritante falta de gestão autárquica.

Se os euros chegam para pagar os artistas de fora (e não critico isso), porque razão não chegam as migalhas prometidas às colectividades?

Certamente que a Ana Moura não esperou quase 5 anos pelo cachet!

Mas nós esperamos. É isto boa gestão?

Anónimo disse...

Kate és o máximo.
É por isso que eu gosto de ti..
Houve por aqui gente que disse por outras palavras que agora não vou querer recordar, que eu eu tinha problemas psico-sexuais quando brinquei com o Capi.
Mas aqui voltei e para te dar os parabéns...
Força Kate logo nos veremos.

ALICE COOPER

ricardini disse...

Qual é a diferença entre "infundados" e "sem qualquer fundamento" ?


oops!!! não há!!!!!


A verdade é que as novas gerações estão-se a cagar para as disputas ancestrais entre terras, isso até se explica com estreito relacionamento entre Minde e Covão do Coelho, entre Minde e Mira d'Aire, etc... o que não admitimos é grandes investimentos em cultura numa terra que não quer saber nada disso, e depois a terra que proporciona, que investe meios humanos, que impulsiona a cultura, não recebe nada, ou muito pouco.

O governo que fizesse investimentos para a agricultura na Serra da Estrela(SE) seria apelidado, no minimo, de insano, pois na Serra da Estrela o investimento passará sempre, por pecuária, lacticínios, turismo, etc., nunca investimentos a impulsionar a cultura, seja daquilo que for, nas pedras da SE.

Portanto, investimentos em Alcanena, façam-nos, mas em coisas que a população de Alcanena precise efectivamente. Em Minde façam-nos de igual forma. Se continuarmos a investir mal acabamos todos a ter muita coisa, sem servir para qualquer coisa.

Abraços

ricardini disse...

Kate,

Ficou giro não ficou? o Banner...

Beijos

Anónimo disse...

E porque é que as sinergias de um concelho não podem ser aproveitadas...ou faz sentido ter uma casa de espectáculos em todas as freguesias, umas piscinas em todas as freguesias...já bastam os museus....

Kate Moch disse...

O Banner ficou muito bem. Obrigado Ricardinni.

Quem és tu Alice Cooper? Sempre gostei da tua musica...agressiva...
Conheço-te?

Anónimo disse...

Kate
boa noite.
Claro que conheces...mais do que possas imaginar. Um abraço também para o teu marido... Excelente pessoa!
Quanto ao Alice Cooper ele marcou a minha adolescência..
"No more Mr. nice guy" ; "Billion Dollars Babies" ; "Schools out!..são composições que todos deviam ouvir pelo menos uma vez na vida.
Beijo querida amiga

ALICE COOPER

O Taberneiro disse...

Kate Moch, ca para nos que ninguem nos ouve!! merece a terra dos couros voltar a ver o impagavel engenhocas....

e o burro sou eu? disse...

Em Alcanena existe uma intelectualidade superior que nos ultrapassa. Têm mais tendência para museus (fechados)

Anónimo disse...

Pode-se por esta questão: quem é que está interessado em ver teatros cujos filmes passam todos os anos no natal?

Zé cueca disse...

Eu vi em Minde 2 vezes a gostei, alias, adorei ver que em Minde se fazem "coisas".

Tu talvez goste de dizer mal porque atinge o executivo que tu tanto adoras e defendes, ou será que se eles perderem ficas sem tacho!

Anónimo disse...

Casa onde não há pão, todos ralham mas ninguém tem razão.

Anónimo disse...

Grande frase deste anonimo. Só comparada á descoberta da polvora.
Mas já agora uma pergunta :

Onde é que quer chegar com este proverbio popular ?

Zé cueca disse...

Não há pão, porque houve má gestão.

Anónimo disse...

Eu li bem ?
O 'Zé Cueca', a falar de má gestão ?
Dá vontade de rir !
Sabes do que é que eu estou a falar !
As colectividades bem geridas dão lucro !
DIGO EU !

El Che disse...

Mais uma para nos rirmos! O TCN de vez em quando podia fazer um concurso de variedades e escolher os comentários mais hilariantes. Tipo o "comentário da semana"...

Sabes qual é o problema de muitos?

É presumirem que as colectividades são empresas e que são todas iguais.

Mas estão enganados.

As colectividades não são empresas e não são todas iguais.

Maia disse...

Meus caros, colectividades nunca dão lucro...vê-se que não vão às formações dirigidas para as colectividades..ai ai ai...têm que levar "tau tau"

E sim, as colectividades só devem receber pelas actividades de relevância que desenvolvem...até existe uma tabela de pontuação...ainda não vi foi a relevância que ela tem...olhem é mais um coisa que existe nesta câmara para qual nos dizemos... enfim...

wolfinho disse...

Colectividades tem de dar lucro!

E os artistas em alcanena podem dar perjúrio.

Ou há moralidade ou come todos.

Anónimo disse...

Ai que eu tenho de lhe dar uma lição de gestão de espaços comunitários...nunca se chama lucro...
E nesse aspecto as colectividades de Alcanena, a nivel despotivo, batem as de Minde...temos que admitir...
Não podemos ter tudo...

Jogador disse...

Wolfinho concordo contigo, a Ana Moura não vai estar cinco anos à espera do dinheiro. mas já agora uma pergunta: Terá o VFCM que esperar cinco anos pelo dinheiro do Jazz Minde? A culpa agora também há-de ser da Câmara...?

Industrial disse...

Os artistas em Alcanena não podem dar prejuizo, mas em Minde o Jazz Minde também não deve dar! Porque se desse já deveria ter acabado, se dá prejuizo porque razão continuam a insistir? A dar lucro, as colectividades não estavam à espera do dinheiro.
Votar Novo Rumo? Não, muito obrigado! Minde precisa de gente que entregue contas. Jazz Minde e Mindestock, almoços e jantares à barba longa estamos fartos!
Wolfinho, explica-te! Dizes tão mal do Vereador, como já disses-te de outra pessoa à qual hoje das abraços! E olha que disses-te muito mal! Hoje é do teu lado, está tudo bem mesmo sem te pagar o que te ficou a dever! Talvez um dia digas bem do Vereador! Mudas-te como o vento!

Empresário disse...

O JAZZ MINDE é um dos maiores acontecimentos culturais que existem hoje no concelho. Feito com muita carolice e sacrifício pessoal dos seus fundadores, agora já com seguidores jovens.

O JAZZ MINDE inclusivamente já deu dinheiro a outras colectividades de Minde, o que poucos podem afirmar.

É um acontecimento que teve o condão de começar a unir as colectividades, chamando-as para ajudar na sua organização. Por ex., até as beneficia com a exploração do bar.

O que Minde deve fazer é apoiar o JAZZ MINDE para ele se implantar decisivamente em Minde e não ir parar ao Covão.

Isso seria o que muitos em Alcanena e algumas (poucas) pessoas de Minde quereriam...

wolfinho disse...

Muita gente fala sem conhecimento de causa.

Todas as edições do JazzMinde (à excepção de uma, que ficaram umas pequenas contas por resolver e que já estão liquidadas)nunca deu perjúrio e para quem tem a memória curta ficam aqui alguns exemplos. Casa do Povo recebeu os lucros da primeira edição, depois foi a Banda, os Bombeiros Receberam 3.000€ do JazzMinde.

Este ano o JazzMinde só não dará lucro se a CMA não cumprir com a sua palavra.


Com mais compreensão e ajudas o JazzMinde pode ser um evento de grande divulgação da freguesia e do concelho.

EU VI disse...

Esse gajo que se diz industrial deve é andar com muita dor de corno no cú e todo acagaçado porque se calhar vai perder o tacho.
Estava na assembleia dos bonbeiros quando alguém do Jazz entregou à frente do teu chefe azevedo 600 contos. Não vi foi os bombeiros explicarem para onde foram, essa massa e outras.
E vi o padre albino mostrar um cheque na missa de 600 euros do jazzminde para o telhado da capela.
Também tenho visto a banda a facturar umas coroas a explorar o bar do jazz. Isto foi só o que vi, e pelos visto não vi tudo.

FORÇA MALTA DO JAZZ QUE ESTES AMIGOS DO VARREDOR QUEREM É DESTRUIR TUDO O QUE DE BOM SE FAZ EM MINDE.