quinta-feira, outubro 01, 2009

Ana Drago em Minde

Ontem a deputada do Bloco de Esquerda, Ana Drago visitou Minde, levando já para o Comité Central, quais as empresas de Minde a nacionalizar, quando o Bloco de Esquerda, chegar ao Governo. O TouCaNeura, através do seu "hacker" de serviço, conseguiu penetrar no portátil de Ana Drago, e ter acesso a um documento, de grande importância para Minde.
Aqui ficam os objectivos da deputada:

- Nacionalizar o Estaminé, com o objectivo de dividir as poucas minis que há, por todos os Mindericos.

- Nacionalizar o Vedor`s Take Away, com o objectivo de dividir todos os frangos assados, pelos Partidos Políticos.

- Nacionalizar a Quinta da Malgueira, e torná-la num espaço para Eventos de Música, para que os elementos BE, possa curtir a vida.

- Nacionalizar a Mata, e doá-la ao Povo para ali fazer uma horta comunitária.

- Nacionalizar a Costa e as suas oliveiras, para distribuir o azeite pelos Restaurantes de Minde.

- Nacionalizar a Taberna do João do Alqueidão, para diminuir os encargos dos funcionários da Junta.

- Nacionalizar a Barbearia, para que os elementos do Bloco de Esquerda, possam aparar os seus grandes cabelos, sem pagarem.

- Nacionalizar o Blog TouCaNeura, só porque os seus elementos dizem que o Bloco de Esquerda, não tem dinheiro para colocar luz eléctrica, na sua sede de campanha.

Pedido do Taberneiro ao Bloco de Esquerda: "Por favor, não nacionalizem o TouCaNeura, se o fizerem passo a ser Funcionário Público, e assim a vontade de trabalhar (escrever), vai-se logo embora!!"

9 comentários:

Amigo do Taberneiro disse...

Andas pouco atento ao que aqui se passa, Taberneiro.

A sede do BE já tem luz eléctrica. O resto concordo contigo.

P.S: Gostei do bold.

gAz disse...

Taberneiro

Passa os olhos pelo texto antes de publicares, aparece o corrector automático quando os erros estão lá.
Escreve-se esquerda e não "Esqueda".

Quanto à vontade não deve passar pois já és funcionário público.

Amigo do Taberneiro disse...

Realmente não tinha pensado nisso. O taberneiro já é funcionário público, se o BE nacionaliza o tcn, então nunca mais diz bom dia.

Anónimo disse...

Será que o Alexandre foi apresentado á Ana Drago ?

Anónimo disse...

vais perder a vontade de escrever no dia 12 Outubro... pois a vitoria dos icas vai-te provocar muito azia




ass: Teresa g. e Manel s.

O Taberneiro disse...

Dedicado ao último anónimo:- Até gostava que os ICA ganhassem só para te ver feliz!

Anónimo disse...

Por falar em Ica como todos nos sabemos fizeram pouco na nossa freguesia, foi as rua do presidente da Junta e a do vereador a rua do cruzeiro que ja estava prometida a mais de 8 anos e uma rua para tentar fazer uma Zona industrial aquele preço fica a criar erva.
O que me fez escrever foi so para fazer uma simples pergunta a actual junta, como estao a fazer mais obras neste ultimo mês do que nos ultimos 3 anos e 11 meses a pergunta e se as obras ja estao pagas e sera a proxima junta a pagar ?

cfdj

Anónimo disse...

pelo que ja ouvi dizer tem tentado controlar as despesas... pelo que possivelmente so agora se tornou oportune fazer obras. mas como minderico ha uma coisa que me preocupa, é que não é por fazer muitas obras que quem la esta é melhor ou pior, o que mais me preocupa é que se possa vir a fazer e depois nao se conseguir pagar. axo bem que se façam poucas despesas para controlar a divida, agora quando é apresentado um projecto como o da casa das artes axo que é preciso parar um bocado e pensar que o dinheiro não cai do ceu, se calhar ha outras coisas mais interessantes pa fazer como uma rede de esgotos no covao e vale alto (axo eu). ou sera que andam a espera de um tapete novo de alcatrao para depois o irem rebentar?

Anónimo disse...

Têm tentado controlar as despesas?!
mas quais despesas?
Essa é uma conversa para enganar papalvos.

Fiquem sabendo que o IGAL também já lá tem pelo menos 2 denúncias relativas à Junta de freguesia de Minde.

Certos procedimentos e negócios irão ser avaliados. Muitos desses negócios já foram avaliados aqui nos blogs. Os procedimentos já todos sabem quais são ou não sabem, porque dali nada se sabe.